Com visão existencialista, Vespas Mandarinas usa de referências e traça panorama social em novo single

Foto: Mafê

Primeiro single inédito das Vespas Mandarinas depois de "Daqui Pro Futuro", "Amor em Tempos de Cólera", canção produzida por Lucas Silveira e composta por Thadeu Meneghini e Adalberto Rabelo Filho, traz, embora por uma visão existencialista, críticas sobre os dias atuais, em especial, dentro dos aspectos superficiais expostos em redes sociais.

A faixa, calcada em sonoridade que mescla a atmosfera anos 90 com acordes rápidos do punk rock proveniente do final dos anos 70, traz a tona as falsas felicidades compartilhadas em redes como Facebook e Instagram. Ao mesmo tempo, a canção deixa claro que, a real situação em que vivemos, não só no digital, mas, também, "no meio físico",  é o temperamento de cólera, um comportamento feroz a tudo que é oposto. E pra que serve o amor?

Sobretudo, além do mote baseado em ilusões e falsas certezas, o mais recente single das Vespas nos dá olhares que simplesmente as pessoas podem ser quem são. Não somente valem de atenção seres felizes, tranquilos e bem sucedidos, até porque ninguém é assim o tempo todo. Todos nós temos o direito de "acordarmos no próprio veneno" e tolos são os que escondem por completo este lado.

Em meio de todos estes elementos, o eu lírico da canção se conecta com Fernando Pessoa, no “Poema em Linha Reta”, no qual o personagem se vê como o único mortal em todo o mundo. Imagine que, em uma era de tantas glórias (mesmo que falsas) compartilhadas, tal sentimento não seja loucura alguma.

Absorções


Uma particularidade do single são as diversas absorções e referências que o mesmo traz. A começar pelo título, alusão a um romance de Gabriel Garcia Marquez (Amor nos Tempos do Cólera) e também citação à banda punk Cólera. A capa remete a um disco homônimo de Elvis Presley, lançado em 1956. Tal capa teve moldes repetidos pelo The Clash, em 1979, com o disco "London Calling".

Assim como o Clash, As Vespas copiam, sem se absterem disto, a capa de Elvis, porém, quem protagoniza a imagem é Redson Pozzi (15 de julho de 1962 – 27 de setembro de 2011) guitarrista, vocalista e fundador da banda Cólera, que há oito anos nos deixou em função de uma parada cardíaca. Imagem de capa: Rui Mendes.

Videoclipe

Com a divulgação da música, foi lançado um videoclipe, dirigido por Luca e Davide Bori, integrantes da banda Vivendo do Ócio. No momento, as Vespas Mandarinas tem formação composta por: Thadeu Meneghini no vocalMichele Cordeiro na guitarra , Helena Papini no baixo e Peu Lima na bateria.














Postar um comentário

0 Comentários