Revival pós-punk: Voluntários da Pátria e Smack se apresentam em São Paulo

Foto: Acervo Thomas Pappon/Retirada do Facebook

Com exceção às periferias, a Universidade de São Paulo (USP) foi o berço do rock paulistano nos primórdios da década de 1980. A fonte principal era a ECA (Escola de Comunicação e Artes). Estudantes de jornalismo, Rádio e TV, Cinema, Teatro e outras áreas formavam suas bandas. A USP era, na época, a referência de pensamento crítico e político do país. Consequentemente, os graduandos tinham mais facilidade de acesso à cultura estrangeira. 

A cena pós-punk começou a brotar em 1980 mesmo. Inicialmente surgiu o grupo Os Agentss, banda que misturava rock e eletrônica, que tinha em sua formação: Kodiak Bachine (vocais e teclados), Eduardo Amarante (guitarra), Miguel Barella (guitarra), Lyses Pupo (contrabaixo), Elias Glik (bateria) e Thomas Susemihl (contrabaixo). Posteriormente, fora criada a banda Azul 29, formada em 1982 por Eduardo Amarante, Thomas Susemihl, Thomas Bielefeld (vocais e teclados) e Malcom Oakley (bateria). Os dois grupos adentraram, por intermédio do produtor Pena Shimdt, na gravadora WEA. Nenhuma delas obteve sucesso comercial. Naquela época, a procura por novas bandas era impulsionada pelo sucesso da Blitz.

O fato é que Os Agentss teve seu fim decretado em 1983. Egresso da banda, Miguel Barella formou, com o estudante da ECA Thomas Pappon (multi-instrumentista, compositor e letrista que tocaria em paralelo os grupos Smack e Fellini), o Voluntários da Pátria. Celso Pucci e Guilherme Isnard se juntaram aos dois na formação inicial do grupo.

Smack em foto de divulgação

Para o primeiro e único disco, homônimo, lançado em 1984 pela Baratos Afins, a formação foi composta por Nasi: vocal; Miguel Barella: guitarra; Giuseppe “Frippi” Lenti: guitarra; Ricardo Gaspa: baixo; Thomas Pappon: bateria. Esta mesma escalação, que pouco executou o disco ao vivo, tocará no Centro Cultural São Paulo, no próximo 7 de abril. 

As bandas deste nicho tinham influências do pós-punk inglês e do protopunk. Existia ali um caráter existencialista nas canções, uso de poesias e sonoridades que variavam, desde o eletrônico ao gótico. Outra característica crucial, era a constante transição dos integrantes por várias bandas. O já mencionado Pappon, além dos Voluntários, fazia parte do Fellini e Smack. Esta última, encabeçada por Sérgio Pamplona, o Pamps (que nos deixou em 2015 em função de complicações geradas pela cirrose) e Sandra Coutinho e Edgard Scandurra, musicistas que tinham entre seus projetos a banda Mercenárias. 

É certo que o Smack também faz show na capital paulista, assim como os Voluntários, na Sala Adoniran Barbosa, no CCSP. A data é 11 de abril. Scandurra, Coutinho, Pappon e Fábio Golfetti formam a escalação do grupo para a apresentação. 

Serviços

Voluntários da Pátria - Centro Cultural São Paulo
7 de abril - 18h
Endereço: Rua Vergueiro, 1000 - Paraíso - São Paulo – SP
Ingressos: a partir de R$10,00.
Vendas: Ingresso Rápido

Smack - Centro Cultural São Paulo - 11 de abril.
Endereço: Rua Vergueiro, 1000 - Paraíso - São Paulo – SP
Informações sobre horário e ingressos em breve.

Postar um comentário

0 Comentários