Resenha: álbum de estreia da baiana Illy é caracterizado por uma doce e apimentada tempestade de ritmos

Foto: Rogério Von Kruger/Festival Levada

Embarcar no álbum de estreia da baiana Illy, "Voo Longe" (Universal Music/Alá Comunicação e Cultura), é partir em destino a uma tempestade de ritmos deliciosa. Jovem cantora tida como promessa da MPB, Illy começou a sua carreira no grupo Samba Dibanda e em 2016 se apresentou solo com o EP "Enquanto Você Não Chega", que serviu como degustação para o álbum lançado no primeiro semestre deste ano.

"Voo Longe" foi produzido por Alexandre Kassin e co-produzido por Moreno Veloso. O registro contém 12 faixas que passeiam por ritmos afro-baianos, samba, jazz, bossa nova, salsa e uma dose de psicodelia. Este grande caldeirão foi fomentado por time gigante de compositores, que conta com Jota Velloso, Arnaldo Antunes, Chico César, Pedro Baby e muitos outros.

A faixa de abertura, "Sombra da Lua" (Alexandre Leão/Jota Velloso), introduz muito bem o álbum em uma parceria com o cantor e compositor Gerônimo Santana, que faz coro em um trecho da canção. A música, que conta com referências religiosas na letra, leva a atmosfera baiana para o ouvinte com uma sonoridade que ganha swing durante sua progressão. 

Capa do álbum "Voo Longe"/Foto: Daryan Dornelles

A faixa seguinte, "Só Eu e Você" (Chico César) já é totalmente diferente, característica principal que mantém a pluralidade durante todo o álbum. A música tem uma face pop contemporânea e é a mais radiofônica do disco. "Afrouxa" (Arnaldo Antunes/Betão Aguiar/Pedro Baby/Davi Moraes) traz o ar da Bahia de volta, mas com uma guitarra um pouco mais "abusada" do que "Sombra da Lua".

Outro destaque do disco é a presença de canções com letras divertidas. "Djanira" (Arnaldo Almeida/Jarbas Bittencourt/João Luís) é uma crônica em ritmo de salsa, muito gostosa de se ouvir. A composição conta, de maneira divertida, a ida de Djanira ao Paraguai para comprar um carregamento de maconha, escondido em um caminhão de bananas. Illy canta desdo o início até o desfecho da história. "Olhar Pidão" mostra uma doce sensualidade da cantora baiana, com sonoridade bossa-nova que remete à tradicionais canções da música popular.

A cantora ainda vai ao carnaval com a animada "Fama de Fácil"(Luciano Salvador Bahia). Já em "Voo Longe" (Quito Ribeiro), faixa que dá o título ao registro, Illy canta o desapego suavemente, com pitadas de psicodelia. 

O álbum de estreia de Illy a coloca em evidência no mercado fonográfico e dá expectativas para vôos mais altos. A cantora é introduzida no catálogo da música pop brasileira e, ao mesmo tempo, retoma características tradicionais da MPB. Illy tem tudo para ser inserida no seleto grupo de grandes cantoras da música nacional. 

Confira o álbum: 

Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook