Com sonoridade deliciosa, Melanina MCs mistura elementos do soul, rock e MPB em álbum de estreia

Foto retirada do Facebook do grupo

Foi ao ar, no último dia 26, o primeiro álbum do grupo Melanina MCs. Provenientes de Vitória, no Espírito Santo, Afari, Geeh, Lola e Mary Jane fomentaram o álbum em 2017. Intitulado "Sistema Feminino", o disco é rico em sensibilidade. Soa suave,  com nuances de guitarra e de soul. Ao mesmo tempo, as meninas fazem MPB de classe.

A prova disso é a faixa "Meu Jeito". Assim como todas as músicas do álbum, o grave na canção fala alto. Poesia refinada e refrão totalmente radiofônico:  "Não sei o que você pensa de mim/Eu sei que o meu jeito é assim/Se eu quero, eu pego, eu uso, sem tempo ruim/ Minha última forma ,se quer, pode vir".

A riqueza da sonoridade, junto com as letras, rimas pop e de fácil entendimento, é o que mais impressionam no registro. Os instrumentos e as vozes soam extremamente agradáveis e deliciosos, a ponto do ouvinte não querer, de jeito nenhum, mudar de faixa.

Os discursos empoderados também pintam por todo o disco. Em "Cabelo Áspero", as garotas exaltam as características naturais da mulher negra; em "Pele Maciça", falam sobre resistência.

Alguns nomes famosos na cena independente contribuíram para o álbum: Larissa Conforto (Ventre), Carol Navarro (Supercombo), Gabriela Deptulski (My Magical Glowing Lens) e Morena (Solveris) são apenas alguns deles. "Sistema Feminino" tem produção de Henrique Paoli e coprodução de Fepaschoal.  A banda de apoio é formada por: Thaysa Pizzolato nos teclados e sintetizadores, Henrique Paoli na bateria, Fepaschoal na guitarra e o DJ Jone BL.

O Melanina MCs não só supriu as expectativas por um bom trabalho. Em "Sistema Feminino", as garotas mostram o cotidiano, as lutas, pessoais e coletivas, de uma forma sensível e muito bem produzida. Com certeza uma das obras de arte deste início de ano.

Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook