Entrevista: a ambiciosa Banda de Nós 2



Há quem diga que o rock nunca mais adentrará o mainstream. O estilo vem se tornando música de nicho, e as bandas, cada vez mais cômodas. O sonho de tocar em programas de auditório, como o Domingão do Faustão, ou tocar para grandes plateias, parece não mais existir. Não é assim para a embrionária Banda de Nós 2, que lançou neste ano o EP "É Isso", de forma totalmente  independente.

"Meu sonho é tocar para uma plateia de 100 mil pessoas", diz o vocalista José Irineu, que ficou impressionado com a performance do Slipknot, no Rock In Rio 2015. "Aquele show me mostrou o que eu queria para a vida. Eu não queria estar na plateia, eu queria estar em cima do palco", completa.

A história da banda parece mesmo a narrativa de qualquer grupo maluco dos anos 70. Fundada por José Irineu e Renata Peres, a Banda de Nós 2 ganhou o apoio de Tainã Sampaio, agora guitarrista do trio, de uma forma inusitada. Ninguém se lembra muito bem, mas o músico ficou imerso na banda depois de uma festa muito louca, com direito a bolo com ervas especiais.

"A gente estava em outro planeta e aconteceu uma sondagem lá. Até hoje eu não me lembro muito bem. Eu sinto que eu faço parte disso aqui há anos", conta Tainã.

Mas isso não é o mais impressionante. Dos três integrantes, apenas Tainã já trabalhava com música. Zé Irineu foi jogador de pôquer profissional por um bom tempo, enquanto Renata foi servidora pública. Os dois desistiram de tudo para formar a banda.

"Eu não achei prazer mais em jogar pôquer. Larguei pro alto e disse 'eu preciso fazer alguma coisa que eu quero para minha vida'. Isto foi em 2013. Fiquei uns três anos estudando um monte de coisa, e acabou sendo música mesmo", comenta Zé.

"Saí do meu emprego cheia de problemas, com depressão e resolvi dar um tempo pra mim. Depois eu falei  'preciso fazer alguma coisa que me faça feliz, alguma coisa que eu goste', e, já tínhamos um projeto para fazer música. O Zé é filho do Irineu, do JB Samba, então já está acostumado com área, de certa forma.", relata Renata.

Mesmo com a influência, Zé sempre fugiu da música e sempre preferiu um estilo musical mais aberto, como o próprio define.

A produção do EP

Depois de estudar muita música, alguns porres etílicos e baurets, a Banda de Nós 2, ainda só com Renata e Zé Irineu, entrou no estúdio V8 para gravar o EP "É Isso". São no total cinco músicas, com produção de Chris Calil e mixagem, gravação e masterização de Denis Gomes.

Repleto de complementos, como trompete e violino, o EP é o primeiro passo da banda, que agora ensaia para se apresentar ao vivo. O registro não é perfeito, há derrapadas perceptíveis nos vocais, mas ainda assim é importante levar em consideração a ambição e o empenho do grupo.

Há ainda outras dificuldades, como a financeira, por exemplo. "A gente sabe que não é fácil, mas ao mesmo tempo é uma coisa que não tem como explicar. Nós quebramos financeiramente, tivemos que mudar de casa. Nunca pensamos a desistir, mas deu uma desanimada quando nós vimos que a grana acabou", comenta Zé. "Mas aí, em uma conversa com o Tainã, eu falei 'eu não sei cara, mas eu acho que isso vai chegar em algum lugar', e ele falou a mesma coisa. É uma coisa de sentimento, que não dá para explicar", completa.

A banda termina o ano com muito ensaio, afinal, no ano que vem o EP deve ser executado ao vivo, ao lado de músicas de outros artistas. Não dá para garantir se o grupo fará ou não sucesso, nem mesmo julgar se a música feita por eles é boa ou não. Mas, o que se pode dizer, é que uma das bandas mais esperançosas e ambiciosas dos últimos tempos.


Comentários

  1. Quem tem propósito e vai atrás não importa o resultado é sim a satisfação emoção e concretização própria sucesso sobrinhos .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Parceiro

Siga-nos no Facebook