Vale a pena ler de novo: Ruy Castro entrevista Tim Maia pela Playboy




O jornalista Ruy Castro encontrou Tim Maia para uma entrevista, em 1991. A conversa, como era de se esperar, é uma das mais antológicas do jornalismo brasileiro. Descontraída, foi originalmente publicada na revista Playboy e, mais tarde, divulgada no livro "As 30 melhores entrevistas da Playboy", lançado em 2005, pela editora Abril. Confira abaixo:


Ruy Castro: Vamos esclarecer de uma vez por todas: por que você vive faltando aos shows? Isso até já é uma de suas marcas registradas.
Tim Maia: Algumas vezes eu fiquei de rebordosa, realmente... A alguns shows eu não fui e a outros deixei de ir porque não estava a fim – para explodir a coisa. Por exemplo, eu já faltei no People porque não se tem condições de cantar lá. Não tem som, não tem estrutura, cheio de doidão e de garçom careca passando na sua frente. Tenho o maior grilo com garçom careca.

Eu sou fã dos espanhóis. Sou fã do Picasso, do André Segóvia, do Paco de Lucia – mais do que os espanhóis não existe em matéria de arte: grande pintores, bailarinos, violonistas. Pois é o mesmo povo que mata um boi do jeito que eles matam, enfiando troços no pescoço do bicho, fazendo sangrar até morrer e gritando olé. Por que não enfiam um negócio daqueles no próprio rabo e não saem gritando olé. É esse tipo de espanhol que está no Brasil: os matadores de touro, os Recareys da vida, e nós somos os touros para eles.

Ruy: O que me diz sobre Ed Motta?
Tim: Daí a pouco o cara ficou besta pra caramba, nem fala mais comigo. Se deixar, ele manda o Tim Maia pra casa do cacete e me apaga. Ele não quer ser o sobrinho do Tim Maia – nada dessa história de continuar amigos e parentes. Levou meu conjunto pra tocar com ele, inclusive um músico que estava comigo há dez anos. Só que este já está louco pra voltar porque acha que meu sobrinho não está com essa bola toda. Bem que eu avisei o menino: “Vai devagar, que isso é uma explosão”. Acho que a explosão dele já deu o que tinha que dar. Gravadora é maior ilusão. No começo é retratinho na parede, aquele cheirinho de limpeza e, depois, é puro escravagismo, tipo Sargentelli [o empresário da noite Oswaldo Sargentelli].



Ruy: O que o Sargentelli tem a ver com isso?
Tim: Foi quem inventou esse negócio de que preto só serve pra mostrar a bunda. Então as pretas não sabem nem falar, nem comer nem se vestir, moram no morro e vão mostrar a bunda pros turistas. Eles acham bacaba, mas, também, eles não têm muita coisa pra fazer. Enquanto está vivo, ele deveria angariar fundos para fundar uma escola de pretos, já que ele botou tanta presta pra mostrar a bunda. Enfim, fazer alguma coisa pela raça.Principalmente pelas mulatas, que ele chama de mulatas, mas que são pretas mesmo. Não existe esse negócio de mulata – é light skin ou mestiço. Mulata é cor de mula. Filho de preto com branco é mestiço.

Ruy: E para transar, você é dos delicados ou dos violentos?
Tim: Eu sou artista, sou do amor. Se duvidar eu até deixo a moça me comer, de tão gentil que sou. O que eu sou é um pouco afoito por causa da fimose.

Ruy: Você não acha que bebida demais também atrapalha o desempenho?
Tim: Não. Um bom uísque, bem controlado – pra também não broxar até ajuda. Com um bom 12 anos, na décima dose, tanto faz ter ou não ter fimose. Fica até difícil de baixar.

Ruy: Você broxa muito?
Tim: Nunca broxei na minha vida

Ruy: O que é melhor? Um grande porre ou uma grande mulher?
Tim: Uma mulher. O porre faz mal ao fígado. E também não é só sexo. Existe o amor, a companhia, tenho certeza disso. Do meu peru eu sei que elas não têm saudade. Mas do meu carinho, do papo, do violãozinho quando elas chegavam em casa, de ver a novela com elas, ah, isso elas têm.

Ruy: Ser gordo atrapalha para transar?
Tim: O problema do gordo é só um: quando ele beija, não penetra; e, quando penetra, não beija.

Ruy: Há pouco você declarou à Folha de São Paulo que seu hobby era masturbação. É mesmo?
Tim: É verdade. Até hoje eu toco minhas punhetinhas, graças a Deus. Às vezes, até com a mulher do lado. Masturbação é um troço da mente. Tomo um gorózinho legal, tomo um banho, aí vem a inspiração e eu descasco aquela bananinha.

Ruy: Roberto Carlos é um geniozinho?
Tim: Não. Roberto Carlos é inteligente, batalhador e canta mais ou menos.

Ruy: E Tim Maia?
Tim: Por enquanto é um sujeito que, em vez de estar dormindo com uma Miss Brasil maravilhosa até nove da manhã, acaba dormindo com uma prostituta que sai correndo às 6h43 e ainda leva quinzinho. Mas isso vai mudar.

Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook