Nelson Motta analisa o álbum "Amoroso", de João Gilberto. - #ValeaPenaLerDeNovo #02



Lançado em 1977 pela Rhino Entertainment, "Amoroso", álbum de João Gilberto, foi parar na seção Discoteca Básica, da extinta revista Bizz, em 1986. A seção listava discos indispensáveis para quem gosta de música. Nelson Motta explicou a importância de "Amoroso" estar naquela oitava edição da revista, mais de 10 anos após seu lançamento, no texto a seguir. Confira:

Se tivesse sido gravado no Brasil, eu não hesitaria em apontar o Amoroso de João Gilberto como o melhor disco brasileiro de todos os tempos. Como não foi, posso apenas declarar que é, desde que saiu, meu disco mais querido e ouvido, permanentemente. Tanto que a cópia atual já é a quarta ou quinta, com as anteriores vencidas pela paixão e o uso.

Amoroso - como todos os discos de João - é perfeito, mas é mais, porque mais brasileiro e mais internacional. João canta Gershwin em inglês, Consuelo Velasquez em espanhol e Bruno Martino em italiano. E Tom Jobim, Chico Buarque, Haroldo Barbosa, Newton Mendonça, o Brasil.
Quando canta "S´ Wonderful" e se ouve, pela primeira vez, o sotaque baiano de João é quase engraçado. Mas logo se descobre que nada ali é acaso ou limitação. Ou alguém é capaz de imaginar que, sofisticado como é, com o mitológico ouvido que tem, João não seria capaz de reproduzir com precisão absoluta as sonoridades da letra original? Mas não: ele preferiu uma maneira de dizer a letra onde as palavras inglesas soassem como se brasileiras fossem - em rigorosa harmonia com o ritmo e o clima rigorosa e sinteticamente brasileiros que ele criou com sua voz, violão e gênio: uma das expressões máximas das práticas (teorias) de antropofagia cultural de Oswald de Andrade. E da "universalidade do regional" de Mário de Andrade. 

Assim, um clássico do melhor jazz americano, uma canção já mil vezes cantada de mil formas não só resulta e soa como nova na interpretação de João como indiscutivelmente brasileira, inclusive a letra em inglês. 

"Estate" é, talvez, entre todas as canções que amo de meu artista mais querido, a mais amada. Escrita na década de 50 pelo italiano Bruno Martino, a música virou outra depois de João, como o autor e os críticos italianos reconhecem. O que era uma música de piano-bar como tantas do estilo "night-club" que marcou a música italiana da época, com João ganhou uma harmonização sofisticada, elegante e surpreendente, como as já belas sonoridades da letra italiana valorizadas ao máximo através do "abrasileiramento" sonoro integrando ao ritmo e ao som do violão. E mais: João eliminou da letra original a desamorosa expressão "ti odio" (te odeio), que precedia as palavras de Martino sobre o verão (estate, em italiano), numas de "te odeio, ó verão, pelos beijos perdidos, amores, ilusões etc...".
Com João, o verão de Martino perde o ódio por tudo de bom e bonito que fez nascer, terminar e se transformar em clássico universal contemporâneo - nas vozes que melhor ouvem, segundo dizem e escrevem. 

"Wave", a original, está em Amoroso, junto com a hitchcockiana versão de "Retrato em Branco e Preto", de tirar o fôlego. E o não menos Clássico "Triste", como veio primeiro à luz do som.
O disco, a obra-prima, foi penosamente produzido por um doce amigo americano, craque do music world, chamado Tommy Li Puma, produtor de Miles Davis para cima e legionário do joão-gilbertismo militante. Arranjos de Claus Ogerman, o mestre que jobino-gilbertizou o jazz com precisão germânica e mãos de seda.

Um disco onde nada é de mais ou de menos e a extrema complexidade soa amorosamente clara e simples, junto, dentro e em volta da voz de João.

P.S.: Se for um disco gravado no Brasil, o favorito é Brasil - o disco -, com Caetano, Gil e Bethânia sintetizando a música e a mágica da Bahia e do Brasil - o país. Obra-prima absoluta em design, repertório, arranjos (de Johnny Mandel) e interpretações, cada um exercendo sua luminosa individualidade a partir, em volta e além do gênio.

Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook