Tom Zé reúne sexo, carnaval e crítica política em um único show

Foto: Lucas Lima

Chuva intensa em toda São Paulo na última sexta, primeiro dia de carnaval e mais um desse verão acentuado, fatores típicos para o prazer da folia e a revolta sobre a política ( não tenha ódio no verão). Fato é que, apesar das complicações do tempo, um bom público compareceu ao Sesc Vila Mariana para ver mais um show de Tom Zé, desta vez celebrando os 50 anos de tropicalismo. Até mesmo por conta da chuva constante na cidade, muita gente acabou chegando em cima da hora, ainda assim o espetáculo começou sem atrasos. Tom Zé resolveu iniciar os trabalhos com seu novo disco, "Canções Eróticas de Ninar", lançado no ano passado. De cara sacou a ótima "Sobe Ni Mim", depois de claro apresentar sua primorosa banda.  O show continuou com o repertório do disco até "Cadê Mané", na ocasião o tropicalista chamou o médico que participou do tratamento de sua pneumonia, em 2015, para se juntar à banda.

Após os "assuntos do sexo", o cantor incluiu " Marcha Enredo da Creche Tropical" e "Não Tenha Ódio no Verão", músicas do disco "Tropicália Lixo Lógico"(2012). De improviso, "Banca de Jornal", canção em parceria com Criolo e lançada no álbum "Vira Lata na Via Láctea (2014), foi muito bem executada. "Dá para tocar ?", perguntou Tom Zé ao guitarrista Daniel Maia, que confirmou com firmeza. O clima entre a banda era descontraído, dá para ver que a "trupe de Tom" trabalha com gosto, e isto reflete na plateia, esta que na noite de sexta-feira era composta de jovens até pessoas na terceira idade. A animação e as resposta eram as mesmas.










Fotos: Lucas Lima

Em continuidade é claro que não faltou o mítico "Jingle do Disco", que mesmo executado em todos shows shows do cantor, sempre tira boas gargalhadas da plateia. A animada "Hein" representou o "Estudando o Samba" (1976), enquanto a clássica "Augusta, Angélica e Consolação" o "Todos Os Olhos" (1973).  A parte final da apresentação foi destinada aos lançamentos carnavalescos, estes em parceria com Paulo Lepetit e altamente críticos sobre o momento político atual. Ao total são 5 lançamentos, sendo que quatro foram lançados no Soundcloud e um foi divulgado em primeira mão no show do dia 24. "Eu gosto muito de Tom Zé e confesso que estou meio perdida nos últimos tempos, ele vem lançando muita coisa", comenta Priscila Andrade, 28, antes da apresentação.

A primeira a aparecer no set foi "Queremos as Delações". Em "Sabatina em Latim Para a Indicação de um Juiz do Supremo", o tropicalista fez questão de traduzir a letra, que é em latim, para o público. É claro que a tarefa não foi fácil, o cantor precisou da ajuda de sua mulher, Neusa Martins, que acompanhava o show junto do público. "Samba da Comissão de Linguiça" e "Homologô" foram as últimas das divulgadas na internet a serem apresentadas, mas não a última entre as novidades. Uma marchinha genial, cujo refrão diz "Mamãe eu quero, fora Temer", teve execução feita com êxito e levantou o público que interagiu com palmas e vozes. Foi o ápice do show.

No bis, "Xique-Xique" fechou o primeiro da série de dois shows na Vila Mariana. Mais um ótimo e curto show do hiperativo Tom Zé, que aos 80 anos, faz o triplo de música ( e com qualidade) do que muito jovem por aí. Confira as novas músicas após as fotos:



















Fotos: Lucas Lima


Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook