A Intensidade, sujeira e diversão da BBGG

Hoje nosso projeto de divulgação de músicos independentes vai apresentar uma banda que, apesar de não ter nenhum álbum gravado ainda, já tem grande destaque na cena. A banda já foi elogiada até por Shirley Manson, líder da banda norte-americana Garbage. Estamos falando da BBGG (Bebë Gigante), que tem na sua formação: Dani Buarque (guitarra e voz), Ale Labelle (guitarra e voz), Joan Bedin (baixo) e Mairena (bateria).

Como de praxe, fizemos um convite para que alguém da banda nos contasse um pouco sobre a mesma, fomos respondidos por Dani Buarque e Ale Labelle, vale a pena conferir.


Foto: Raíssa Castro

EB: Como a banda começou e que público vocês visam atingir?
Dani: A banda começou no fim de 2014. O baterista Mairena tinha uma música pronta, "Slippery Blonde" (nosso primeiro single) e juntou toda a trupe. Eu estava na banda bem no comecinho, saí e a Ale Labelle entrou no meu lugar. Depois de menos de 1 ano a vocalista Deb saiu e eu entrei na banda de novo pra ser vocal e guitarra junto com a Ale. De lá pra cá temos a mesma formação, eu, Ale, Mairena e Joan no baixo.

Acho meio difícil definir um público que a gente visa. Queremos atingir quem se identifica com o nosso som. A gente se diverte muito fazendo tudo da banda, desde músicas até clipes e teasers. A banda tá bem presente na vida de cada um dos integrantes, e acho que isso fica bem evidente no palco, nas coisas que a gente faz, o que acaba trazendo pra gente quem se identifica não só com o som, mas com o tesão de fazer rock.

EB: Se Fosse pra indicar uma música do BBGG para uma pessoa que não conhece a banda, qual seria e por quê?
Ale Labelle: Eu indicaria a música "Little Red Dot", porque acho que ela resume bem o som da banda quanto à intensidade, sujeira e diversão. 
Dani: : Concordo. Eu também iria nos nossos shows, porque a vibe do palco é bem além da gravação (risos)


EB: O mercado musical hoje em dia prejudica as bandas novas, levando em consideração que as gravadoras não se interessam mais em lançar discos? 
Dani: Não consigo te dizer o quanto isso prejudica as bandas, até pelo fato de que hoje você não precisa de uma gravadora para distribuir a sua música, você mesmo pode fazer isso com todas as plataformas digitais disponíveis no mercado.  Há alguns anos atrás tínhamos o processo reverso. As gravadoras investiam em apostas e implacavam novas bandas, hoje em dia elas ficam de olho em coisas que já tem um certo público e investem depois de uma certa "garantia" de sucesso. 

Claro que não é regra, ando vendo novos artistas com contratos com gravadoras mas não creio que a falta de interesse em coisas novas do público seja culpa das gravadoras. As pessoas diante de tantas opções acabam descansando seu gosto musical na zona de conforto. Quem curte mesmo,  tá sempre pesquisando coisas novas, trocando informações, mas quem não é tão ligado em música, só vai escutar mesmo o que te entregarem na bandeja.

EB: O quanto a Internet e as novas mídias ( Spotify, YouTube, Deezer, etc) ajudam na divulgação da banda? Seria mais difícil se esses meios não existissem?
Dani: Com certeza ajuda muito as bandas independentes. Com elas foi criado um novo direcionamento do marketing musical, porém não é nada fácil se destacar mesmo com essas plataformas. Até pelo fato de qualquer um ter acesso, logo tem muita banda disponível e a galera acaba que fica perdido. É tipo ter toda informação do mundo e não saber o que fazer com ela. Mas isso não é exclusivo do mundo musical, acho que a internet fez isso com todos os assuntos existentes.

Mas no geral, com certeza ajuda muito. Antes para você ser ouvido você dependia exclusivamente de uma gravadora que te gravaria e distribuiria suas músicas nas rádios, hoje você grava com quem quiser, onde quiser e disponibiliza esse conteúdo independente.


EB: Como rolou o convite para participar do tributo aos Titãs e como foi a escolha da música?
(Saiba mais sobre o tributo aqui)
Dani: O João da Crush em Hi-Fi sempre foi um cara que apoiou a banda e com isso surgiu esse convite. A escolha da música foi o mais natural possível. Cada um falou uma música que gostava, acabou que tínhamos umas 3 que todos gostavam, mas usamos de critério escolher uma que rolasse fazer uma releitura mais original e nossa cara,  aí escolhemos a "Comida".

EB: Há planos para um álbum?
Dani: A banda ainda está muito no começo.  Estamos lançando vários singles e com isso fazendo um exercício de amadurecimento musical. Não achamos ainda que é a hora porque ainda estamos nessa fase de experimentação e descobrindo como queremos soar , criando uma identidade musical mais sólida para um lançamento de um álbum completo. Músicas é o que  não nos falta. Com certeza muito em breve vamos começar esse processo, enquanto isso vocês podem ouvir nossos singles no www.soundcloud.com/bbggfrombrazil



Acompanhe a BBGG nas redes sociais:



Agradecemos à Dani Buarque e a toda banda pela atenção!





Comentários

Parceiro

Siga-nos no Facebook